Memórias Utópicas

É tipo o verão

Posted by in Uncategorized

0

– um texto para ler devagar, ouvindo exatamente isso –   Parece com o verão a sensação de gostar de alguém. Quente, amistoso, exótico, erótico, colorido… As sensações e imagens são nostálgicas e importantes, os olhos querem se fechar a todo momento, como se tudo ofuscasse um pouco, apesar de muito bonito e interessante. Sons de violão, vozes tranquilas, filmes em câmera lenta, fotografias de gente dos anos 80 na casa da vó, camisa aberta, refrigerantes em garrafas de vidro e copos com formatos complicados. Feriado na segunda, piscina morna,…read more

Você lembra dessa foto?

Posted by in Uncategorized

0

Você lembra dessa foto? Lembra de como foi esse dia, o que aconteceu antes e depois dessa imagem? Eu lembro. Foi no segundo exato em que eu te contei que estava indo embora. Logo após o flash você disse “mas você odeia Paris!” e eu ri, enquanto você colocava a alça do maiô de volta no ombro. Fim de clima. Eu juro que estava adorando aquele showzinho, striptease ao som de Amber Run, sensual até o talo, uma coisa pré-selvagem, uma troca de olhares intensa como só você consegue manter….read more

É o fim, anjinho!

Posted by in Uncategorized

1

Eu queria ser amiga dela, ir para festas com ela, dormir na casa dela, comer x-burguers gordurosos às 3h da manhã com ela, tomar o pior cappuccino da cidade no Fran’s Café com ela, me drogar com ela, fazer tudo com ela. Quando conheci a Nik o mundo desacelerou um pouquinho, os segundos se esticaram e não precisou nem de um minuto inteiro para me apaixonar: eu estava louca por aquela mulher. Ela era um pouco mais bronzeada que eu, tinha os cabelos ligeiramente mais curtos que os meus, mas quem…read more

O seu último adeus

Posted by in Uncategorized

1

Se é a sua vontade, pode ir, vai. Mas antes me deixa ficar com algum pedaço seu, alguma lembrança oca, uma ilusão qualquer pra me agarrar quando a saudade arrombar a porta aqui de casa. Uma dor de saudades de você deve ser o bicho mais próximo da morte que um homem pode enfrentar sem ter morrido. Te perder é morrer sem ter direito a descanso, eu acho. É isso mesmo, acho que é isso. Então já que é pra ir, me deixa essa lembrança? Me dá sua mão. Me…read more

O peso das coisas

Posted by in Uncategorized

2

Às vezes a gente só ficava juntas, sentadas na sala sem dizer quase nada, vendo o sol atravessar as cortinas pintando os móveis velhos, todos meio marrons, enquanto meus pais trabalhavam. Meu irmão morreu quando eu tinha doze. Ficar sozinha sempre foi um problema para mim, mas ela nunca deixava que eu me preocupasse com isso. Sempre estava comigo, mesmo que não quisesse, mesmo que estivéssemos brigadas. A única vez que ela ficou sem me ver por alguns dias foi quando eu contei que havia perdido a virgindade. Foi com…read more

Tomara!

Posted by in Uncategorized

2

Já faz tempo que eu não tomo o nosso vinho preferido. Mas a mesma sensação de felicidade que eu sentia quando a gente tomava, ainda vem engarrafada no sabor dele. Tem muita coisa que fica, mesmo depois que já foi embora. A textura das suas roupas, por exemplo, ainda está aqui na sensação macia de passar os dedos pelo meio do lençol fantasiando que em algum momento minha mão vai se chocar com as suas costas e eu vou te abraçar de madrugada. Às vezes é bem sofrido conviver com…read more

Deve-se amar para ser importante

Posted by in Uncategorized

1

As coisas precisam de amor para que sejam importantes. Deve-se amar muito algo para que isso se torne algo de significado real. E não estou falando do amor romântico entre pessoas, desses sentimentos pegajosos que dão origem a livros, filmes e decepções. Do outro lado do amor cor de rosa e macio existe o amor áspero e espinhento, um amar quase louco, nocivo, de noites mal dormidas e pensamentos intranquilos. Amor, por exemplo, por uma ocupação. Você ama o que você faz para viver? Ama de verdade? Mais cedo ou…read more

Hoje eu não vou voltar para casa, amor

Posted by in Uncategorized

1

Essa é minha última transmissão. Depois dessa, nada mais será dito, escrito ou pensado por mim. Estou acabando, findando minha participação, recitando as últimas linhas do meu monólogo e as cortinas já estão prestes a fechar. Serei novamente pó de estrela, essa matéria mágica que forma e deforma todos nós. Sei que parece clichê, mas daqui de cima tudo que eu penso em dizer é que a Terra é incrivelmente azul, mesmo com toda a poluição e a porção de decisões erradas que a gente tem tomado com as florestas….read more

A casa

Posted by in Uncategorized

1

Eu queria um sofá de três lugares com assentos largos e encostos macios e confortáveis, com aquela coisa de puxar para frente e poder esticar as pernas. Queria uma mesa amarela para ficar colada na parede da copa, pelo lado da sala, para colocar um vaso de flores ou uma besteirinha qualquer para alegrar a cena. Quero decorar a casa com cenas. Na parede oposta à cozinha gostaria de ter muitos quadros, de tamanhos, molduras e temas diferentes. Arte, essa droga tão perfumada que eu sempre respirei, vai ter lugar na…read more

Suzana

Posted by in Uncategorized

1

O Túlio acelera o carro e liga o rádio. Estamos um pouco bêbados depois de seis garrafas de cerveja, ele está com a camiseta suja porque babou uma boa parte de uma dose de uísque que pedimos para começar e eu estou com os olhos inertes. A gente não tem o que conversar, é de noite e está chovendo fraco. As luzes se multiplicam nas gostas espalhadas pelo vidro e ele insiste em não ligar o limpador. Odeio a sensação de não conseguir ver o caminho. Abaixo o volume de uma…read more