Memórias Utópicas

Eu vou mudar a sua vida!

Posted by in Uncategorized

0

A porta abre e ele vem na minha direção com o olhar voraz de uma serpente. Se esgueira pelos cantos, atravessa o corredor ladeando os batentes de porta e a moldura da janela e não para mais. Quando chega ao quarto eu já estou no chão, mole, entregue, com as meias pinicando e o cabelo sem formato. Nunca conheci um homem que me fizesse sentir dessa maneira, uma intensidade absurda, a vontade de gritar antes do primeiro beijo, a tremedeira sem controle, os arrepios que duram meses. Troquei meu medo da…read more

O peito se abre de bom grado para a passagem de quem se ama

Posted by in Uncategorized

0

Ela encostava a testa na minha, me olhava nos olhos, enrolava os dedos nos meus e dizia “eu nunca vou te largar, eu nunca vou te largar, eu nunca vou te largar” e me beijava em seguida. Dizia três vezes porque acreditava que era assim que tinham de ser as palavras com valor e não podia ser diferente. As coisas com ela tinham esses misticismos, tudo tinha significado, toda ação, por mais simples que fosse, tinha algo mágico por trás. Ela tinha amigos assim também, mas eu não conseguia me apegar…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Amores de festa de sábado à noite

Posted by in Uncategorized

2

Estava quente no quarto, era domingo, daqueles domingos que não têm absolutamente nada de especial, que o céu está azul e ensolarado, mas ninguém quer ir ao parque, nem tomar um sorvete, nem dar uma volta de bicicleta, nem nenhum clichê de domingo. Mais ou menos uma da tarde, por aí, uma cama de solteiro insuficiente para os dois, insuficiente até mesmo para um solteiro sozinho, e o calor visceral do ar, do sol e dos corpos semi-suados tentando dormir grudados naquele bafo sufocante. Nenhum carinho, nenhum beijo de “bom…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Metamorfose

Posted by in Uncategorized

0

Se dissessem que era feliz, chorava de desgosto. Não queria, não combinava. O bom, mesmo que ruim, era estar na merda. Vivia cagada, fodida, sem vontade de porra nenhuma, mas destilando toda a elegância que a solidão e a tristeza têm. Depois escrevia coisas sobre o sentimento de vazio que se sente quando não se tem alguém, falava sobre vida e morte, futuro – ou quase isso – e lia muito. Lia como se fosse o que garantiria que sua vida ainda valeria a pena. Lia coisas antigas, muito novas,…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Estaca 0,1

Posted by in Uncategorized

0

Ela me olhava quando eu não estava olhando. E quando me via atento ao caminho, olhando para frente, pensava em quanto me queria para si. Mas eu me virava e ela disfarçava, fingia estar olhando depois de mim, pela janela, lá fora, e eu fingia não perceber a mentira. O carro quentinho, mas a chuva e o frio batendo cartão do lado de fora e o destino era qualquer lugar. Era pretexto, só pra ficar junto, só para poder olhar para mim. Tinha aqueles vícios de gente que não consegue…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Um ano de coisas boas

Posted by in Uncategorized

1

Não é difícil encontrar gente escrevendo sobre o que é que faz da vida essa experiência tão intensa que todos nós sentimos diariamente. Tem gente que acha que a vida é feita de vontades e realizações, outros dizem que a vida é feita da satisfação em buscar e adquirir conhecimento. Outros dizem que o bom da vida é juntar dinheiro, comprar coisas, viajar o mundo, desfrutar de luxo e fartura. Sinceramente? Acho que a vida de cada um é feita de alguma coisa e essa coisa, na verdade, é tão…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Visita

Posted by in Uncategorized

0

Era noite, passava das onze, e alguém bateu palmas no portão. Imaginei ser alguém pedindo fora de hora, ou algum dono de um carro pouco competente pedindo um “empurrãozinho” e, por isso, levando em consideração a hora e o frio, ignorei. Mas depois de outras palmas ela gritou meu nome, e meu coração pulou pra fora da boca agitado, como um cachorro vira-latas hiperativo, foi pulando pela casa manchando tudo, parou na ponta e ficou balançando o átrio direito e batendo para mim. Tive que abrir. “O portão está aberto”,…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Muda

Posted by in Uncategorized

1

Ela já não vinha em busca de nada. Antes ainda se preocupava em dar satisfação, inventava histórias, fazia de conta que tinha algo para mostrar, trazia desenhos de rostos muito bem detalhados, de cenas urbanas na chuva e eu sempre dizia que ela deveria trabalhar com isso. Mas ela não me ouvia, não queria nem saber. Depois de cinco minutos aqui dentro, já estava sentada no sofá, com a blusa longe, me olhando com a convicção de quem hipnotiza pelos olhos. Só que depois ela desencanou do teatro e eu…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Um vídeo com os segundos mais valiosos do mundo

Posted by in Uncategorized

1

Um vídeo com os segundinhos mais preciosos dessa vida. Tenho pensado muito nisso, em segredo, nas últimas semanas. Várias vezes me peguei viajando, pensando em cores e paisagens, perdido em ideias por muito tempo, até ser cortado pela voz da minha namorada com a pergunta de sempre: “o que foi?” e eu sorrio e digo que não é nada, que estava só pensando. Não é nada mesmo, mas vai ser. É um projeto daqueles que a gente começa sem saber como fazer, sem ter o conhecimento, nem a estrutura, mas…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Calípso [2/3]

Posted by in Uncategorized

0

Naquela noite não conversamos muito. Era estranha a sensação de falar com alguém que você conhece, mas que não faz a menor ideia de quem você é. Mesmo sem falar, lá de longe, dá última cama do quarto, ela conseguia a  minha atenção. Ignorando completamente a minha presença, trocou de roupa sem pudores ou dúvidas. Tirou as botas, a jaqueta preta, depois os brincos e o colar, depois o relógio, depois a outra peça de roupa que estava por baixo, depois o cinto, a calça apertada, que deu mais trabalho…read more