Memórias Utópicas

Lúcifer

Posted by in Uncategorized

0

Atrás da casa, depois do galinheiro, havia um grande plano gramado, com mato ligeiramente alto, cravejado de algumas pedras redondas, onde ele gostava de subir vez ou outra. Em uma terra onde quase nenhum dia é completamente ensolarado e o céu permanece cinza por mais de dez meses, todos os anos, não é difícil ter a visão traída e perder algum detalhe na paisagem. Lúcifer sumia diante dos olhos dos menos treinados e misturava sua forma imponente ao contorno das montanhas, ao escuro da sombra das nuvens e aos arbustos…read more

Questão de tempo

Posted by in Uncategorized

1

Há muito tempo ando em busca de algo maior. Sonho, há anos, em ser algo grande, algo importante, algo além de mim. Olhando para fora, para além da sacada do meu apartamento, meus sonhos parecem uma porção de milagres prestes a acontecer. As luzes noturnas fazem tudo parecer mais significativo. Olho o horizonte noturno da cidade e tenho a certeza de que a vida me reservou alguma coisa maravilhosa para logo mais. Talvez não seja fama. Talvez não seja dinheiro. Talvez não seja nada do que eu conheço. Mas ainda…read more

Antony

Posted by in Uncategorized

1

Na parede, logo que você entrava no quarto, lia-se claramente um verso escrito de caneta Posca preta: “desde ontem o hoje é quase tudo que tenho” e logo abaixo a cama de solteiro com um colchão já bem deformado, abatido, com um lençol largo jogado por cima, um cobertor marrom que não parecia nada aconchegante acompanhado de um travesseiro com a fronha amarelada do lado esquerdo. Essa era a visão clássica do quarto do Antony. A gente se conheceu na metade da sétima série e nos tornamos amigos justamente pelo…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Trem da madrugada

Posted by in Uncategorized

2

Era noite, eu já estava viajando há doze anos e o trem acabava de partir. Tem um grande erro na nossa cabeça quando imaginamos viagens de trem sem nunca ter efetivamente viajado sobre trilhos: as cabines. A gente vê nos filmes aqueles trens com cabines e portinhas fechadas, mas a verdade é que hoje esses trens são minoria. O comum é viajar em vagões com cadeiras um pouco mais confortáveis do que as de trens normais, mas só um pouco, e sem divisórias entre passageiros. O trem moderno é como um…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Estaca 0,1

Posted by in Uncategorized

0

Ela me olhava quando eu não estava olhando. E quando me via atento ao caminho, olhando para frente, pensava em quanto me queria para si. Mas eu me virava e ela disfarçava, fingia estar olhando depois de mim, pela janela, lá fora, e eu fingia não perceber a mentira. O carro quentinho, mas a chuva e o frio batendo cartão do lado de fora e o destino era qualquer lugar. Era pretexto, só pra ficar junto, só para poder olhar para mim. Tinha aqueles vícios de gente que não consegue…read more