Memórias Utópicas

Dente-de-leão

Posted by in Uncategorized

0

Sobrou tão pouco de mim. Das frases de efeito aos olhares penetrantes, tudo foi perdendo o brilho, se tornando opaco e ineficaz. Uma manta branca como névoa cobriu o que eu tinha de melhor e foi, aos poucos, me tornando invisível. Se eu falo, as palavras nascem mortas, sem som, sem espaço no dicionário. Se meus meus melhores movimentos tomam conta de mim, o chão não se comove, o vento não se mexe, ninguém vê. Percebo hoje que meus dias eram uma reação química, complexa ou simples, não sei, mas…read more

Eu vi teu rosto na rua

Posted by in Uncategorized

0

Eu vi teu rosto na rua. Estava preso em um trânsito terrível, indo no sentido Consolação, e vi uma pessoa com a sua face estampada na cabeça dela. Foi um milésimo de segundo em que a luz, o vento e as linhas transformaram o rosto de uma mulher no ponto de ônibus em uma figura muito próxima da sua. Meu coração saltou, foi como se tivesse perdido o ritmo e pulado o compasso por uma batida. Era teu rosto, depois já não era mais. Eu vi teu rosto em uma foto…read more

É impossível ser feliz sozinho!

Posted by in Uncategorized

2

Tenho focado muito do meu pensamento solitário em tentar entender como é que eu funciono. Porque existe uma mentira secular de que nós somos a pessoa que mais nos conhece, mas é mentira, pura mentira. Cheguei à conclusão, nesse final de semana, que boa parte da maneira como eu funciono está diretamente ligada às pessoas que me cercam, física e psicologicamente. Eu sou a prova viva do “diga-me com quem andas e eu direi quem és”, porque minhas características mais singulares sofrem profunda influência das pessoas com quem eu me…read more

O que eu tô fazendo aqui?

Posted by in Uncategorized

1

Tinha uma luz azul em todo o ambiente, as paredes eram escuras, o bar estava vazio, a pista tinha duas pessoas, homens, conversando enquanto bebericavam garrafas de cerveja, o palco estava apagado, o pole dance prateado vazio e as cortinas do fundo imóveis. Estava assim quando a gente chegou. Uma das meninas pediu para subir no palco enquanto o show não começava e ganhou permissão para fazer o que quisesse. “Deixa a menina fazer o que quiser”, disse um dos caras da pista para a mulher atrás do balcão. Fiquei…read more

Hoje eu não vou voltar para casa, amor

Posted by in Uncategorized

1

Essa é minha última transmissão. Depois dessa, nada mais será dito, escrito ou pensado por mim. Estou acabando, findando minha participação, recitando as últimas linhas do meu monólogo e as cortinas já estão prestes a fechar. Serei novamente pó de estrela, essa matéria mágica que forma e deforma todos nós. Sei que parece clichê, mas daqui de cima tudo que eu penso em dizer é que a Terra é incrivelmente azul, mesmo com toda a poluição e a porção de decisões erradas que a gente tem tomado com as florestas….read more

Eu vou mudar a sua vida!

Posted by in Uncategorized

0

A porta abre e ele vem na minha direção com o olhar voraz de uma serpente. Se esgueira pelos cantos, atravessa o corredor ladeando os batentes de porta e a moldura da janela e não para mais. Quando chega ao quarto eu já estou no chão, mole, entregue, com as meias pinicando e o cabelo sem formato. Nunca conheci um homem que me fizesse sentir dessa maneira, uma intensidade absurda, a vontade de gritar antes do primeiro beijo, a tremedeira sem controle, os arrepios que duram meses. Troquei meu medo da…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Você tinha que ter vindo!

Posted by in Uncategorized

0

“Você tinha que ter vindo”, ela disse. Falou comigo ontem! Mas disse como quem diz que vai se atrasar dez minutos, ou como se fosse um recado de alguém desimportante que ligou. Fiquei pensativo quando ela me falou. A Ana é o tipo de garota que não fala coisas por educação ou para fazer social. Se ela disse que eu deveria ter ido, talvez daqui a pouco eu comece a me arrepender por não ter ido. Mas não, as coisas não são assim, a gente não tinha que ter ido….read more

ops, texto temporariamente sem imagem

EU A QUERIA MAIS QUE TUDO NO MUNDO (PARTE 2)

Posted by in Uncategorized

1

Demorei alguns segundos para perceber que estava tocando uma música. Ela tinha ligado o celular em alguma espécie de caixa de som high-tech que eu tinha achado que era um banco no chão. Largou as roupas todas pelo chão, estirou os pés sobre a mesinha de centro e ficou dançando como quem está sozinho no último lugar do mundo antes do apocalipse. Ela queria que eu a visse, mas não queria se sentir observada. “Dance como se ninguém estivesse olhando” eu pensei, tentando traduzir os olhos fechados dela, os braços…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Eu a queria mais que tudo no mundo (parte 1)

Posted by in Uncategorized

0

Nos primeiros dois meses era só admiração, como se eu tivesse conversando com algum famoso cuja carreira me inspirasse ou alguém da música cujos discos eu cansei de ouvir e, de repente, estava falando comigo sobre como foi o dia, sobre amenidades e contando tudo sobre o mundo da fama, sobre o lado de lá, sobre como as coisas realmente funcionam. Eu era fã dela! Mas como não era famosa, nem prestigiada, nem ninguém muito mais importante que a maioria dos que vivem no mundo, comecei a perceber que a…read more