Memórias Utópicas

ops, texto temporariamente sem imagem

Saramandaia da vida

Posted by in Uncategorized

0

No cheio de pó, no cheiro de coisa frita em óleo velho, no cheiro de morte certa, no cheio de perfume de flores, tudo estava feito para a lembrança de que o tempo passa. A certeza do fim estava nestes cheiros, nas paredes escurecidas com o tempo, nos televisores de tubo e na disposição irregular das mesas e cadeiras. O Saramandaia é um mini mapa do futuro de todos nós, mesmo que o futuro seja agora. Eu quis ver como eu ia ser, quis ver lá na frente, adivinhar os…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Te amo e te mato (meio)

Posted by in Uncategorized

0

De repente a casa está linda, do jeitinho como se diz que deve ser uma casa saudável. O chão de madeira tem cor e brilho de madeira, as paredes estão limpas, lisas e fortes. A cozinha está mobiliada e tem frutas na fruteira, pão no armário e ovos na geladeira. Tem coisa pra caralho na geladeira, na verdade. Tenho uma empregada! É, precisei de alguém para cuidar dos assuntos que não me dizem respeito, como a minha vida, por exemplo. Dona Cida cuida de mim como uma mãe, comprando as…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

A vida é um hotel decadente

Posted by in Uncategorized

0

Os prédios lá fora caindo, todos, um após o outro, como dominós. As ruas encharcadas de carros, congestionadas até os tubos, pedestres caminhando por cima dos carros, atravessando fora da faixa, fora da rua, fora da hora. O caos instalado do vidro da janela do quarto pra fora. Dentro não. Entre as paredes, o teto e o chão o silêncio estava instaurado sem espaços para concessões. Não era paz, não dá pra chamar um lugar como aquele de “pacífico”, mas era o melhor que se podia ter naquele momento, naquele…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Totoro

Posted by in Uncategorized

0

Podia ser o sono, o cansaço da vida filha da puta que a gente leva quando trabalha além da capacidade, ou a preguiça matinal. Mil motivos diferentes para explicar a razão de, de repente, todas as distâncias parecerem difíceis demais, longas demais, duras demais. Caminhar da porta do quarto até o portão de casa foi uma batalha real, física e complexa, das minhas pernas contra a minha vontade. Eu me arrastava, puxava meu próprio corpo com a mente enquanto ele não queria responder. Não estava combinando nem um pouco com…read more