Memórias Utópicas

Sobre onde morrem as pessoas infelizes da cidade

Posted by in Uncategorized

0

Com o corpo marcado de músculos, queimado de um sol que não sabe o que é trégua, e o tronco nu, exibido aos quatro cantos do mundo, berrou a plenos pulmões com as mãos para cima. Um urro gutural e longo, tão longo quanto o fôlego de uma pessoa desidratada consegue ser, que nadou na imensidão vazia de um deserto arenoso e selvagem. Era o quintal. Era o Brasil que Deus não criou. Eram lugares grandes demais para qualquer tipo de eco. Paraíso tropical, fiscal e social, só que tudo ao…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

São as prostitutas que a sua manicure atende

Posted by in Uncategorized

1

São as prostitutas que a sua manicure caríssima atende. Você não sabia, nem imaginava, mas as moças são garotas de programa, sentadas na cadeira ao lado, conversando com você sobre aquela loja que está liquidando tudo pra entrar a coleção de verão e estão vendendo blusinhas a 19 reais, quando, na verdade, costumam custar 80! A sua manicure sabe de onde vem o dinheiro que paga a francesinha, a craquelada, a neon com disco ball ou a renda com strass. A dona do salão, claro, também sabe. Algumas clientes também…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Doládelá

Posted by in Uncategorized

1

Eu dei uma sumida de dois dias – e sumir é coisa séria, pode acreditar. Troquei essas linhas de letras firmes e sempre direcionadas da esquerda pra direita pelas faixas intermitentes da estrada, farol alto na contra mão é falta de respeito, estrelas pra cima, olhos de gato para baixo, e meus olhos fechados para ver além. Fui pra outro lugar, um lugar que fica doládelá da estrada, no fim das placas de quilometragem, lá depois de onde as coisas perdem a pressa, onde o ritmo é outro, o cheiro…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Cia. Marítima Do Lado De Lá

Posted by in Uncategorized

1

Tinha um navio que levava as pessoas pro lado de lá, mas ninguém podia comprar passagens para ele. Era preciso ser sorteado. E mesmo que muitos dissessem que eram armados, os sorteios eram sempre aleatórios e baseados apenas nas infinitas probabilidades. Era o maior navio do mundo, ficava há um dia de barco da costa continental. Era grande demais para se aproximar dos portos, então ficava boiando nas águas profundas esperando os novos passageiros. Eu e você poderíamos estar lá. A pessoa era sorteada e avisada imediatamente por alguém da…read more