Memórias Utópicas

Lúcifer

Posted by in Uncategorized

0

Atrás da casa, depois do galinheiro, havia um grande plano gramado, com mato ligeiramente alto, cravejado de algumas pedras redondas, onde ele gostava de subir vez ou outra. Em uma terra onde quase nenhum dia é completamente ensolarado e o céu permanece cinza por mais de dez meses, todos os anos, não é difícil ter a visão traída e perder algum detalhe na paisagem. Lúcifer sumia diante dos olhos dos menos treinados e misturava sua forma imponente ao contorno das montanhas, ao escuro da sombra das nuvens e aos arbustos…read more

A sua velocidade

Posted by in Uncategorized

3

Vivendo a toda velocidade, passando pelas coisas bonitas como se fossem meros postes de luz e nem percebendo que agora as lâmpadas da rua são brancas e não mais amarelas. Um, dois, três, quatro, cinco, dez, vinte, trinta mil anos luz à frente de todo nós e, ainda assim, sempre sem tempo, sempre em cima da hora, sempre “na correria”. Quem é que você persegue tanto? Quem é esse fugitivo invencível que não cansa, que não descansa, que não dorme nem para de correr em momento algum? Dezenas de músicas…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Até o decadente me atrai

Posted by in Uncategorized

1

Até o decadente me atrai. Eu sou decadente, se comparado ao que fui há algum tempo. É como uma coisa linda e moderna dos anos 1970, que hoje é, no máximo retrô ou cult. Colecionável, é o nome que se diz. Somos todos colecionáveis, cult ou retrô, como preferir, à partir de um dado momento. Talento de quem consegue continuar se interessando pelo velho, pelo que já não inova, pelo que não muda. É quase como ter compaixão, ser legal, gente fina mesmo, sabe? O decadente me atrai, no centro,…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Sem tempo

Posted by in Uncategorized

0

Enquanto o tempo estiver assim, passando, sendo temporário, com dias, horas e anos, não vai dar pra te amar. Enquanto a vida for real, enquanto o mundo for humano, não vai ter como, foi mal. É que pra te amar tem que ser daquele jeitinho infinito, sabe? Daqueles amores que a gente não faz jura porque não tem dúvida, porque não precisa provar nada, só amar e ser amado. Ter você é ter tempo e se o tempo passar, acaba tudo. Quero muita existência para poder te lamber devagarzinho, como…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Saramandaia da vida

Posted by in Uncategorized

0

No cheio de pó, no cheiro de coisa frita em óleo velho, no cheiro de morte certa, no cheio de perfume de flores, tudo estava feito para a lembrança de que o tempo passa. A certeza do fim estava nestes cheiros, nas paredes escurecidas com o tempo, nos televisores de tubo e na disposição irregular das mesas e cadeiras. O Saramandaia é um mini mapa do futuro de todos nós, mesmo que o futuro seja agora. Eu quis ver como eu ia ser, quis ver lá na frente, adivinhar os…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

A vida é um hotel decadente

Posted by in Uncategorized

0

Os prédios lá fora caindo, todos, um após o outro, como dominós. As ruas encharcadas de carros, congestionadas até os tubos, pedestres caminhando por cima dos carros, atravessando fora da faixa, fora da rua, fora da hora. O caos instalado do vidro da janela do quarto pra fora. Dentro não. Entre as paredes, o teto e o chão o silêncio estava instaurado sem espaços para concessões. Não era paz, não dá pra chamar um lugar como aquele de “pacífico”, mas era o melhor que se podia ter naquele momento, naquele…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Bocas

Posted by in Uncategorized

0

Se tivesse coragem de dizer já teria dito. Mas não tinha. Não tinha porque era jovem ainda, sabia pouco do que o mundo tinha pra ensinar; seus amigos, igualmente jovens, também tinham pouco a dizer que pudesse iluminar uma brilhante ideia para mudar tudo. Era a pura inexperiência confrontando o desejo de fazer algo e estar petrificado no mesmo lugar. Era coisa de cara jovem, 20 e poucos anos de energia e insegurança guardados dentro do mesmo frasco. Fazia frio, ele era o cobertor. Fazia calor, ele era o vento….read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Tempo?

Posted by in Uncategorized

0

Primeiro pensei que era um sonho. Vasculhava o quarto com os olhos tentando identificar algum outro elemento absurdo. Sei lá, a foto de alguém que eu não conhecia, ou objetos de outra pessoa no meu ambiente, uma cor diferente, algo que comprovasse que eu não estava fisicamente ali. Depois que percebi não estar mais dormindo, suspeitei de uma daquelas alucinações que a gente tem quando vê uma sombra e acha que é alguém, ou quando ouve alguma coisa e tem a impressão de ter escutado chamarem nosso nome. Fiquei olhando,…read more

ops, texto temporariamente sem imagem

Imortais

Posted by in Uncategorized

0

Tá acontecendo uma cidade lá fora. Abri a janela e meu silencio foi espancado por uma onda apressada de barulhos de carros passando pelo asfalto molhado, vento, buzinas, obras ao longe e um helicóptero bem perto fazendo ar vibrar e as ondas de som oscilarem. Cortava o som e descortava cada vez que as pás daquele carro voador giravam sobre a minha cabeça. Estava mesmo acontecendo uma cidade lá fora. Pela janela do décimo andar não restavam dúvidas, não havia nem o que argumentar, o mundo estava funcionando novamente. Olhei…read more